25.5 C
Belo Horizonte
sexta-feira, dezembro 3, 2021
spot_imgspot_img

Seccional Leste: em constante mudança. Assim vem sendo a nossa Seccional.

Inicialmente composta por cidades do Vale do Aço, um polo industrial e Governador Valadares, um importante entreposto comercial, a seccional leste vem se transformando ao longo dos anos. Muitos nomes importantes para a ortopedia da região estavam se consolidando, vindo principalmente da capital mineira e carioca desde meados do século XX. Já naquela época, os colegas ortopedistas (quase todos ativos até hoje) se revezavam na liderança, organizando jornadas trazendo tecnologias, assistência e ciência para o leste de Minas.

Em Ipatinga houve o 1º Encontro de Ortopedistas do Vale do Rio Doce, já em 1977!
Do lado da antiga Figueira do Rio Doce, hoje, Governador Valadares, houve o 1º encontro da Ortopedia do Leste de Minas em 1997. Encontro esse contando com convidados ilustres de Belo Horizonte, brindando a região com atualizações científicas, tão necessárias para a comunidade médica e à população.

E muito ainda estava por vir.

O Vale do Aço que conta com um dos hospitais mais modernos do país – O Hospital Marcio Cunha (Ipatinga) há anos vem se destacando no atendimento aos traumas e patologias ortopédicas da região. E, por que não fazer uma ortopedia de ponta no interior? E mais, educação continuada, trabalhos científicos. Por que não? Iniciou-se então um ciclo de jornadas ortopédicas na cidade de Ipatinga, sendo a última de forma virtual no mês de setembro de 2021, contando com 162 inscritos. Da mesma maneira encontros em Governador Valadares aconteciam com frequência mantendo uma integração importante. Muitos colegas da região e principalmente de Belo Horizonte vinham prestigiar.

Mais um ciclo de mudanças estava se formando na Seccional. Novos colegas, novas ideias, divisão por subespecialidades … E a tão sonhada residência médica. Em Ipatinga no HMC iniciou -se em 2012 com vagas credenciadas pela AMB e SBOT. Já são mais de 30 residentes formados e trabalhando pelo Brasil. Em 2018, a segunda residência médica da seccional se instalou em Governador Valadares no Hospital Regional, credenciada pela AMB.

Com a residência, deu-se um impulso a mais na organização dos serviços e suas respectivas subespecialidades. Muitos de nós retornaram à vida acadêmica, fazendo palestras em congressos, publicando artigos e participando efetivamente da formação e seleção dos residentes do Brasil no TEOT.

Em 2019 mais uma transformação ocorreu.

Na mudança da diretoria da SBOT MG biênio 2019 /2020 começou a se discutir as cidades que compunham cada Seccional. Isso havia sido decido no congresso Mineiro de Araxá em 2008. Mas havia uma nova necessidade organizacional. E não seria seguindo as regiões de Minas. Deste modo nossa pequena seccional, cresceu. E muito.

Teofilo Otoni, Santa Maria do Suaçuí , Resplendor, Mantena, Caratinga, Itabira, Nova Era, João Monlevade, Guanhães, Manhuaçu, Manhumirim , Ponte Nova e Viçosa. Sejam muito bem vindos! Seríamos então 18 cidades ! Muita expectativa , novos colegas, novos desafios, possibilidade de encontros e trocas de experiências em regiões tão distintas em seu clima, política e infra estrutura.

Aí veio a pandemia.

E para nós, por incrível que pareça, foi uma ótima opção de integração.
Logo em março de 2019, quando o caos se instalou em nossos hospitais, e fomos impedidos de trabalhar (pelo menos como ortopedistas). Foi nos sugerido, pelos próprios colegas da seccional, a formação de um grupo de estudos para mantermos a educação continuada. De fato em todo o Brasil e pelo mundo víamos o surgimento de várias opções de aulas e “lives“ virtuais. Assim, desta forma, iniciaram-se uma sequência de web meetings que nos colocaram como “uma das mais ativas das seccionais “, segundo o atual presidente da SBOT MG . Nos rendeu até uma oportunidade de escrever um artigo sobre o assunto na última edição da revista da nossa sociedade regional. No mês de novembro deste ano, chega-se à 14ª edição destes encontros virtuais. Com reuniões que tem uma média de 30 ortopedistas, atingimos a marca de mais de 100 participantes em uma única edição com o tema “ cobertura cutânea” , contando com palestrantes de vários estados do nosso país e com expectadores até de fora do Brasil!

Em cada cidade muitos hospitais se destacam. Em cada região, uma realidade. Todos com um objetivo comum, manter-se na vanguarda da medicina ortopédica.
No Vale do aço, temos um dos hospitais mais modernos e premiados do país – o Hospital Marcio Cunha. Foi a primeira entidade da nação a obter certificado de Acreditação em Excelência ONA. Também a partir de 2015 passou a integrar o seleto grupo de hospitais a possuir certificação internacional DIAS /NIAHO, sendo que no Brasil, apenas 6 instituições tem esse título. E por fim em 2019, tornou-se o primeiro hospital brasileiro a conquistar o prêmio HIMSS Elservier Digital Helthcare Awards, que é dedicado a validade excelência em informações e tecnologia em saúde. É um orgulho para a seccional. Um exemplo a ser seguido.

Os desafios agora? São maiores do que nunca.

Com essa alavancagem virtual , estamos na fase mais ativa da seccional , agora retornando aos eventos presenciais nacionais e regionais.
Nossas cidades, porém, apesar de distintas, contam com dificuldades semelhantes. Problemas sociais, equipamentos e materiais. Em uma constante espiral progressiva de complexos traumas e o envelhecimento populacional, nossos implantes, pelo menos para parte desta população, não acompanhou a modernização mundial. Ainda usamos muitas vezes “implantes simples para fraturas complexas”, tema de uma aula da regional de cirurgia da mão MG-ES, em setembro de 2021 ministrada por um de nossos integrantes da seccional.

Uma quantidade crescente de bons e qualificados profissionais retornando às suas cidades de origem, com dificuldades de inclusão em serviços hospitalares de forma efetiva, questões de remuneração, limitação para publicação de artigos científicos e sobrecarga de trabalho são as nossas principais adversidades.

Mas, já passamos por muita coisa, continuaremos motivados pelo desafio.
É a nossa história. Continuemos daqui.

Por Luiz Henrique Vilela
Presidente em exercício gestão 2020/2021

Artigo anteriorSeccional Zona da Mata

VEJA TAMBÉM