18.8 C
Belo Horizonte
sexta-feira, dezembro 3, 2021
spot_imgspot_img

Mulher na Ortopedia

blank
Marcella Rodrigues Costa Simões. Medicina CRM-MG 61831 | Ortopedia e Traumatologia RQE 38062 | Cirurgia da mão e Microcirurgia RQE 44798 | Membro CET SBOT-MG | @marcellaortopedista

Apenas 6% da Ortopedia é do gênero feminino, ou seja, a especialidade médica chamada “Ortopedia e Traumatologia”, tem 94% dos profissionais do gênero masculino.

Estes dados estatísticos coincidem no Brasil e EUA. A explicação para a pequena representatividade feminina pode advir de uma estrutura cultural, histórica e social. A ortopedia é uma especialidade conhecida por fazer uso de força física, furadeiras, serra de osso, martelo e outras ferramentas que remetem ao estereótipo masculino. Mas a Ortopedia vai muito além disso: é uma área de atuação extremamente inteligente que necessita raciocínio clínico e exame físico minucioso.

A ortopedia tem como características a objetividade, a resultabilidade, a capacidade de visão espacial, a habilidade motora e a resistência física. As mulheres também conseguem dominar essas qualidades e contornar a limitação de FORÇA através do uso de habilidades técnicas e conhecimento de física, regidas pelo Princípio de Archimedes – “dê-me um ponto de apoio e uma alavanca, que moverei o mundo”.

Em 2019 foi criada uma Comissão da Mulher Ortopedista da SBOT Minas (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia – Regional Minas Gerais), com o objetivo de reconhecimento, valorização e a consolidação das mulheres na Ortopedia, não só em Minas Gerais como no Brasil. A ideia porém não é competir, e sim trabalhar junto com os homens no sentido de valorizar a especialidade e atender de forma cada vez mais humanizada os nossos pacientes.

Em 2020 foi criada a AMOB (Associação de Mulheres Ortopedistas do Brasil), com o intuito de reunir mulheres que estão dentro da Ortopedia, sejam especialistas já formadas, residentes em ortopedia, ortopedistas em fase de subespecialização ou acadêmicas de Medicina interessadas na área, para dar apoio e suporte a essas mulheres, melhorando a representatividade e diversidade dentro da ortopedia.

A SBOT-MG através de sua comissão da mulher ortopedista reforça sua admiração a todas guerreiras ortopedistas e incentiva a todos(as) que pretendem seguir nesta especialidade fantástica.

VEJA TAMBÉM